Segunda, 12 de Agosto de 2019
 
  BOLETIM 14/2019

A 1ª Etapa dos Jogos de Aventura e Natureza foi um sucesso!

A FEPAR gostaria de agradecer aos atletas participantes e todos que ajudaram para que o evento fosse um sucesso!

Segue relatório da atividade da 1ª etapa e informações da 2ª etapa de Guaíra.

Bons saltos, ótimos pousos e mantenham-se SEGUROS!

Diretoria FEPAR

 
     
     
 
ETAPA PARANAGUÁ - JOGOS DE AVENTURA E NATUREZA
CAMPEONATO V4 – PARANAGUÁ


1. Local, Data, horário e Aeronave:
Local: Aeroporto de Paranaguá;
Data: 09 e 10 de agosto de 2019
Horário do inicio: 14h00 do dia 09 de agosto de 2019;
Horário do término: 17h00 do dia 10 de agosto de 2019.
Aeronave: PR-BEX

2. NÚMERO DE RODADAS:
Execução de 03 (três) rodadas completas;

3. Times/integrantes/câmeras - conforme sorteio:

I. Albatroz – Valmir Coradin (CBPq: 11.076), Peter Ney Sozzi (CBPq: 7.295), Danilo Baez (CBPq: 89.535), Daniel Rodrigues da Rocha (CBPq: 83.995) e Rafael Abreu (CBPq: 81.012).

II. Fly Londrina – Fábio D´Águilla Pelayo (CBPq:21.855), Lércio “Neno” Gomes (CBPq: 25.481), Cesar Gustavo Teles Ribeiro (CBPq: 73.917), Fabrício Macoto Miazaki (CBPq: 73.646) e Dener Prado Gomes (CBPq: 72.947).


III. Curitiba - Descola Wear450+ - Michelle Thiemi Yamaguti (CBPq: 88.068), Rinaldo Semprebon de Figueiredo (CBPq: 45719), Fausto Beckert Puhl Krigger (CBPq: 79.905), Leonardo Smalarz Moura (CBPq: 85.858) e Daniel Rodrigues da Rocha (CBPq: 83.995)

IV. Fly/Skydive Castro – Edvaldo “Vadão” Menegassi (CBPq: 18.264), Enrico Caruso (CBPq: 75.980), Jeferson Salazar (CBPq: 88743), Breno Mello de Assis (CBPq: 7.768) e Claussius “tibi” Sgarbi (CBPq: 45.228);


4. RODADAS/TEMPO:

Albatroz
1ª RODADA: 35 segundos;
2ª RODADA: 35 segundos;
3ª RODADA: 35 segundos;

Fly Londrina
1ª RODADA: 24 segundos;
2ª RODADA: 16 segundos;
3ª RODADA: 19 segundos.

Curitiba - Descola Wear450+
1ª RODADA: 23 segundos;
2ª RODADA: 35 segundos;
3ª RODADA: 32 segundos.

Fly/Skydive Castro
1ª RODADA: 27 segundos;
2ª RODADA: 31 segundos;
3ª RODADA: 27 segundos;


5. Resultados:

1º colocado: FLY LONDRINA: 59 SEGUNDOS;

2º COLOCADO: FLY/SKYDIVE CASTRO: 1 MINUTO E 25 SEGUNDOS;

3º COLOCADO: CURITIBA/Descola Wear450+: 1 MINUTO E 30 SEGUNDOS;

4º COLOCADO: ALBATROZ: 1 MINUTO E 45 SEGUNDOS.


6. Premiação:

1º COLOCADO: R$1.350,00

2º COLOCADO: R$540,00

3º COLOCADO: R$270,00

7. Juiz/RTA
Juiz: Francisco Garcia
RTA: Fábio Pelayo.

8. Incidentes/Reserva/Protestos:
ZERO.


9. IMPRENSA:
RICTV, RPC, FOLHA DO LITORAL NEWS e AGÊNCIA OFICIAL DO GOVERNO DO ESTADO.

10. AGRADECIMENTOS:

Paraná Esportes especial ao Sr. Marcos “Padre” Schemberger, Presidente da Confederação Brasileira de Paraquedismo: Breno Mello de Assis, Prefeitura de Paranaguá, Administradores do Aeroporto de Paranaguá, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal de Paranaguá, Beto Arranha Céu, Enrico Caruso, Jota Derviche, dobradores: Emerson Cabral e Gabriel Fernandes.





Federação Paranaense de Paraquedismo



Fabrício Macoto Miazaki
Presidente


Edvaldo Roberto Menegassi
Vice Presidente


Fábio D´Aguilla Pelayo
Diretor Técnico


Luciano Miguel da Silva
Secretário
ETAPA GUAÍRA - PRECISÃO AI e A - JOGOS DE AVENTURA E NATUREZA
Navegação, pouso e precisão – AI e A
Etapa Guaíra


1. Finalidade
Regulamentar os Jogos da Natureza do Estado do Paraná – Etapa Guaíra – ano 2019 que será organizado e realizado pela Federação Paranaense de Paraquedismo – FEPAR em conjunto com a Paraná Esportes, aberto para todos os atletas da Confederação Brasileira de Paraquedismo.

2. Local, Data, horário e Aeronave
Local: Aeroporto de Guaíra;
Data: 14 e 15 de setembro de 2019
Horário inicial: 10h30 do dia 14 de setembro – Instrução com os participantes;
Horário máximo previsto para o término: 17h do dia 15 de setembro;
Aeronave: a decidir.

3. Objetivos
a. Determinar o atleta Campeão da Etapa Guaíra – Jogos de Aventura e Natureza;
b. Promover a troca de informações e aprendizado entre os ATLETAS em um clima saudável de competição e ajuda entre os competidores;
c. Incentivar os atletas filiados a FEPAR em permanecer no esporte, incentivando-os através de competições;
e. Promover a confraternização entre atletas, escolas, instrutores e outras Federações;
f. Proporcionar trocas de experiências, conhecimentos e informações;
g. Apresentar o esporte ao público leigo local.

4. Execução

1) O campeonato será executado no mínimo em 03 (três) rodadas e no máximo 05 (cinco) rodadas, dependendo do número de inscritos, podendo, no entanto ser considerado válido com apenas 01 (uma) rodada completa realizada. Se houver impedimento técnico ou qualquer outra circunstância julgada pela comissão técnica que o impeça de ser continuado.

2) Todas as rodadas realizadas serão válidas, não haverá descartes.

3) Poderão participar somente categoria AI nível VIII (graduado nos programas ASL/AFF) e categoria A;

4) O número mínimo de ATLETAS será de 03 e máximo de 06.

5) Os saltos serão realizados a partir de 4.500 pés.

6) Alvo diâmetro de 05 metros;

7) Será validado o pouso que:
7.1) Navegar na área de espera determinada pela organização;
7.2) Realizar navegação com os pontos A; B; C.
7.3) Entre o ponto “C” até o alvo, navegar no mínimo 5 segundos em linha reta.


8) Não será considerado o pouso que:
8.1) Realizar curvas superiores a 180º graus ou “carroceis” na navegação;
8.2) Comando em baixa altura;
8.3) não realizar o pouso no sentido determinado;
8.3) Infringir as regras do item 7;

9) Será declarado o campeão, que somar a menor distância entre o pouso e alvo, no somatório das rodadas completas;

10) Fica obrigatório que o lançamento, seja realizado por um profissional da CBPq (TBBF; Mestre de saltos e instrutores ASL/AFF e Tandem Pilot);

11) Obrigatoriedade o uso de rádio para Alunos em Instrução;

12) Categoria “A” recomendado o uso do rádio, poderá deixar de utilizar rádio desde que autorizado em caderneta;

13) Operador de rádio deverá ser no mínimo categoria “C” ou profissional da CBPq;

14) Fica obrigado o cumprimento do art. 47 do Código Esportivo, sob pena de não inviabilidade na participação:

Art. 47 Dentre outras exigências, os seguintes parâmetros máximos de wingload (peso do paraquedista somado ao peso do equipamento em libras ou pounds, divididos pelo tamanho do velame) para utilização de velames principais e reservas em cada categoria devem ser obedecidos:
I. Categoria "AI" – Velames retangulares com carga alar entre 0.5 e nunca maior que 1.0;
II. Categoria "A" – Velames retangulares ou semi-elípticos classificados como iniciantes com carga alar nunca maior que 1.10;


15) A comissão técnica terá plenos poderes para julgar os casos de infração as normas de segurança, cabendo desde invalidação do pouso até eliminação da competição.

16) São consideradas graves, as infrações referentes a aberturas e curvas a baixa altura, pouso no sentido contrário e “carroceis”.

5. Inscrições
As inscrições deverão ser feitas através do e-mail fepar@fepar.org.br.
Data limite: 10 de setembro.

6. Premiação
1º colocado: medalha e 50% do valor total arrecadado na inscrição;
2º colocado: medalha e 20% do valor total arrecadado na inscrição;
3º colocado: medalha e 10% do valor arrecadado nas inscrições ao time;
Todos participantes: 20% de free beer do valor arrecadado.

Bônus FEPAR: R$100,00 ao operador de rádio campeão (caso seja utilizado);

7. Comissão Organizadora
RTA: Fábio D´Águilla Pelayo;
Juízes: Jorge Derviche Filho e Francisco Garcia.
Júri: Profissionais CBPq e Diretoria FEPAR.

8. Seleção de participação
Terão prioridades na participação conforme escala:
a. Filiados a Confederação Brasileira de Paraquedismo;
b. Categoria “AI” graduado nos programas ASL/AFF.
c. Categoria “A”;
d. Menor tempo e atividade no esporte;
g. Ser filiado a FEPAR;
h. Data da inscrição;

9. Impossibilidades de participação:
a. Não estar com anuidade em dia da Confederação Brasileira de Paraquedismo e devida Federação (Não haverá renovação no local);
b. Re-certificação de equipamento fora do prazo conforme Código Esportivo da CBPq;
c. Não possuir DAA (Dispositivo de Abertura Automática) ou fora de validade;
d. Equipamento não aprovado por rigger/certificadores ou instrutores no local;
e. Alunos em Instrução não graduados pelos programas ASL/AFF;
f. Categoria “B” e superiores;
g. Velame em desconformidade com art. 47 do Código Esportivo;
h. Não possuir as seguintes documentações:
Para Aluno em Instrução: 1) Caderneta de salto comprovando graduação.
Para Atletas categoria “A”: 1) Caderneta de salto comprovando graduação; 2) Folha de Progressão de Categoria “A” da Confederação Brasileira de Paraquedismo.
i. 03 anos ou mais filiado na CBPq.

10. Hospedagem/Estrutura
a. Alojamento para todos os participantes, sem custo (o hospede deverá levar colchão e roupa de cama);
b. Para fins de alojamento, deverá ser enviado uma listagem com nomes com 7 dias de antecedência;
c. Food trucks;
d. Banheiros químicos;
e. Área de dobragem e descanso para os paraquedistas;
f. Espaço ao público com arquibancadas;
g. Espaço criança;
h. DJ;
i. Demais estruturas de entretenimento.

11. Valores de inscrição
Será cobrado o valor de R$100,00, por participante;
Fica proibido qualquer tipo de cobrança de profit pelos participantes do campeonato.

12. Valores de dobragem
Dobragem velame principal R$20,00

13. Valores de locação de equipamento
Aluguel equipamento R$45,00

14. Valores de vaga
Para as rodadas do Campeonato NÃO HAVERÁ COBRANÇA;

16. Outras informações:
a. Aberto a todos os Confederados da CBPq;


Fabrício Macoto Miazaki
Presidente

Edvaldo Roberto Menegassi
Vice Presidente

Fábio D´Aguilla Pelayo
Diretor Técnico

Luciano Miguel da Silva
Secretário

ETAPA GUAÍRA - V3 B - JOGOS DE AVENTURA E NATUREZA
Campeonato de Velocidade 3B


Etapa Guaíra – 14 e 15 de setembro de 2019
GUAÍRA – PR

1. Finalidade:
Regulamentar os Jogos da Natureza do Estado do Paraná – Etapa Guaíra – ano 2019 que será organizado e realizado pela Federação Paranaense de Paraquedismo – FEPAR em conjunto com a Secretária de Esportes do Estado do Paraná, aberto a todos os Confederados da CBPq.

2. Local, Data, horário e Aeronave:
Local: Aeroporto de Guaíra;
Data: 14 e 15 de setembro de 2019
Horário inicia: 10h do dia 14 de agosto – Reunião dos capitães e início do campeonato;
Horário máximo previsto para o término: 17h dia 15 de agosto;
Aeronave: a decidir.

3. Objetivos:
a. Determinar a equipe Campeã da Etapa Guaíra – Jogos de Aventura e Natureza;
b. Promover a troca de informações e aprendizado entre as equipes em um clima saudável
de competição e ajuda entre os competidores;
c. Incentivar os atletas filiados a FEPAR e outras Federações em permanecer no esporte, incentivando-os através de competições;
e. Promover a confraternização entre atletas, escolas, instrutores e Federações;
f. Proporcionar trocas de experiências, conhecimentos e informações;
g. Apresentar o esporte ao público no local.

4. Execução:

I. O campeonato será executado no mínimo em 03 (três) rodadas e no máximo 05 (cinco) rodadas, dependendo do número de inscritos, podendo, no entanto ser considerado válido com apenas 01 (uma) rodada completa realizada. Se houver impedimento técnico ou qualquer outra circunstância julgada pela comissão técnica que o impeça de ser continuado.

II. Todas as rodadas realizadas serão válidas, não haverá descartes.

III. Cada equipe será composta por 03 (três) atletas, sendo a obrigatoriedade do “diver” ou 3º da formação seja um atleta de categoria “B” conforme site da CBPq, ou atleta categoria “A” que tenha todos os pré-requisitos de categoria “b”, faltante somente o salto conforme art. 197, III, do Código Esportivo CBPq:

Art. 197 Para obter a Categoria "B", o paraquedista deverá atender às seguintes exigências: III. Sair da aeronave em terceiro no mínimo, e entrar na formação demonstrando habilidade para realizar aproximações, "grips", separações e manutenção de nível;

IV. Caso o “diver” ou 3º da formação seja um categoria “A”, é obrigatório que os outros 02 integrantes sejam no mínimo categoria “c”, seguindo ordem do art. 42, III, do Código Esportivo da CBPq.

V. Caso o “diver” ou 3º da formação seja um categoria “B”, os outros integrantes poderão ser categoria “B” no mínimo, seguindo ordem do art. 43, IV, do Código Esportivo da CBPq.

VI. O tempo valerá da filmagem do atleta “base” ou atleta 01, no qual estará do lado de fora do avião, ficando de sua escolha estar no montante ou “STEP CAMÊRA”;

VII. Antes do início do salto qualquer membro da equipe deverá informar qual rodada estará saltando, informação deverá ser feita e a filmagem deverá ser contínua.

VIII. É proibido também qualquer tipo de “grip” no momento da saída da aeronave.

IX. A cronometragem iniciará a partir do momento que qualquer parte do corpo do segundo integrante da equipe encontre-se fora da porta do avião, e será tomado o tempo até que os 03 (três) atletas estejam formados em uma estrela, que deve ser configurada e voe estável por no mínimo 2 segundos.

X. Caso o atleta base, que esteja no montante, não filme o momento da saída do segundo integrante ou atrapalhe o julgamento, contabilizará o momento que o mesmo se lançar, e também deverá ser acrescido o tempo de 03 (três) segundos no tempo final;

XI. Outros participantes poderão portar filmadoras, entretanto, será considerado para julgamento a filmagem do atleta base ou 01;

XII. O atleta base ou 01 é peça fundamental, na filmagem e validação do salto, o mesmo deverá se manter como base até o final do salto.

XIII. Caso a comissão julgadora considera que houve inversão de base por outro atleta, será considerado o tempo de 30 segundos;

XIV. O tempo máximo a ser considerado é de 30 segundos de trabalho após a saída do segundo paraquedista, qualquer tempo acima disto não será considerado.

XV. O atleta diver nº 03 deverá ser no máximo Categoria “B” ou no mínimo Categoria “A” com no mínimo 40 saltos e com pré requisitos para se tornar categoria “B”;

XVI. Após o fechamento da estrela, o voo deverá continuar belly fly, fica proibido free fly vertical e hibrído. Caso infringido, será considerado o tempo de 30 segundos, e na reincidência eliminação da equipe de todas as etapas dos Jogos de Aventura e Natureza no ano de 2019.

XVII. As tomadas de tempo serão acumuladas a cada salto, será vencedor a equipe que após a última rodada considerada, somar o menor tempo para formar as formações.

XVIII. Em caso de empate, a equipe que realizou a formação no menor tempo em um dos saltos de competição será considerada a vencedora. Em caso de novo empate será considerado a equipe que tiver o paraquedista com menor tempo de filiação conforme site da CBPq.

XIX. Não será permitida a participação em mais de um time.

XX. O número mínimo de equipes será de 03 e máximo de 06.

XXI. Os saltos serão realizados a partir de 10.000 pés.


5. Infrações:
A comissão técnica julgadora terá plenos poderes para julgar os casos de infrações as normas de segurança, cabendo desde advertência, invalidação do tempo obtido, eliminação da equipe na competição e futuras etapas de 2019.

São consideradas graves, as infrações referentes a aberturas e curvas a baixa altura, pouso no sentido contrário, “carroceis”, cobrança de profit durante o campeonato e agressões verbais ou físicas.

Nos casos descritos acima, infrações poderão ser punidas: invalidade no tempo da equipe da equipe e/ou eliminação da equipe e/ou exclusão de todas as outras etapas de 2019, cabendo protesto de todas as decisões.

A comissão técnica julgadora será composta pelos profissionais da FEPAR, RTA´s, Juízes, Diretor do Campeonato e Diretoria da FEPAR, cabendo às decisões em votação plenária.

6. Inscrições
As inscrições deverão ser feitas através do e-mail fepar@fepar.org.br.

7. Premiação
Campeã: medalhas aos integrantes, 50% do valor arrecadado da inscrição;
Vice Campeã: medalhas aos integrantes, 20% do valor arrecadado na inscrição;
Terceira colocada: medalhas aos integrantes, 10% do valor arrecadado nas inscrições ao time;
Todos participantes: 20% de free beer do valor arrecadado.

8. Comissão Organizadora
RTA: Fábio Pelayo
Juízes: Luciano Miguel da Silva e Francisco Garcia
Comissão julgadora: Profissionais da CBPq e Juízes.

9. Seleção de participação
Terão prioridades na participação conforme escala:
a. Filiados a Confederação Brasileira de Paraquedismo;
b. Categoria B – comprovado no site da CBPq;
c. Categoria A, conforme requisitos mínimos, comprovado no site da CBPq;
d. Categoria C - comprovada no site da CBPq;
e. Categoria D - comprovada no site da CBPq;
f. menor tempo e atividade no esporte;
g. 20 saltos nos últimos 6 meses, comprovados em caderneta;
h. Estar frequentando boogies e áreas do Estado do PR;
i. Data da inscrição;

10. Impossibilidades de participação:
a. Não estar com anuidade em dia da Confederação Brasileira de Paraquedismo e devida Federação (Não haverá renovação no local);
b. Re-certificação de equipamento fora do prazo conforme Código Esportivo da CBPq;
c. Não possuir DAA (Dispositivo de Abertura Automática) ou fora de validade;
d. Equipamento não aprovado por rigger/certificadores ou instrutores no local;
e. Categoria AI;
f. Categoria A com menos de 40 saltos.

11. Times
a. Times deverão ser inscritos pelos capitães e clubes;
b. Nomes deverão ser escolhidos pelo clube/cidade;
c. Caso algum participante não tenha time e queira participar, a FEPAR estará à disposição para indicar outros membros que estejam na mesma situação.

12. Hospedagem/Estrutura:
a. Alojamento para todos os participantes, sem custo (o hospede deverá levar colchão e roupa de cama);
b. Para fins de alojamento, deverá ser enviado uma listagem com nomes com 15 dias de antecedência;
c. Food trucks;
d. Banheiros químicos;
e. Área de dobragem e descanso para os paraquedistas;
f. Espaço ao público com arquibancadas;
g. Espaço criança;
h. DJ;
i. Demais estruturas de entretenimento.

13. Valores de inscrição:
Será cobrado o valor de R$150,00, por participante, todo valor será revertido para premiação conforme item 07;
Fica proibida qualquer tipo de cobrança de profit, sob pena de exclusão dos jogos de Aventura e Natureza.

14. Valores de dobragem:
Dobragem velame principal R$20,00

15. Valores de vaga:
Para as rodadas do Campeonato V3-B NÃO HAVERÁ COBRANÇA DE VAGAS;

16. Outras informações:

a. Aberto a todos os Confederados da CBPq;
b. Atletas Categoria “A” poderão validar a sua categoria “B” nos saltos do campeonato, cumprindo com os requisitos.
c. Haverá equipamentos para locação;
d. Obrigatório utilização de velames conforme art. 47 do código Esportivo.

Art. 47 Dentre outras exigências, os seguintes parâmetros máximos de wingload (peso do paraquedista somado ao peso do equipamento em libras ou pounds, divididos pelo tamanho do velame) para utilização de velames principais e reservas em cada categoria devem ser obedecidos: I. Categoria "AI" – Velames retangulares com carga alar entre 0.5 e nunca maior que 1.0; II. Categoria "A" – Velames retangulares ou semi-elípticos classificados como iniciantes com carga alar nunca maior que 1.10; III. Categoria "B" - Velames retangulares ou semi-elípticos classificados como intermediários com carga alar recomendada máxima de 1.10 e nunca maior que 1.30. IV. Categoria "C" - Velames semi-elípticos ou elípticos classificados como avançados com carga alar recomendada máxima de 1.3 e nunca maior que 1.5 desde que o atleta tenha no mínimo 100 saltos com carga alar não superior a 1.3 com velame similar; V. Categoria "D" - Velames elípticos ou "Cross Braced" classificados como "Experts" com carga alar ilimitada, e tamanho compatível com o nível de experiência e propósito de sua utilização.



Fabrício Macoto Miazaki
Presidente

Edvaldo Roberto Menegassi
Vice Presidente

Fábio D´Aguilla Pelayo
Diretor Técnico

Luciano Miguel da Silva
Secretário
PRAZO DE INSCRIÇÃO ETAPA GUAÍRA
Fica decidido data limite de inscrição para o dia 10 de setembro, 17h00 o término da inscrição.

 
     
       
  www.fepar.org.br
fepar@fepar.org.br
by Colere Design © 2020  

Você está recebendo este e-mail por ser cadastrado no site www.fepar.org.br.
Caso não queira mais receber este e-mail clique aqui.